quarta-feira, 30 de abril de 2014

TERCEIRA PARTE: COELHO O PRIMEIRO.


Cabral deu ordem de reunir todo o mundo e combinou com seus capitães a melhor forma de pôr os pés no território novo. No dia 23, o comandante Nicolau Coelho desceu à terra. Era o primeiro português em chão brasileiro. Na praia, junto à embocadura de um rio (creio que seja igual uma curva fechada), havia gente a esperá –lo, eram os  indígenas, habitantes daqueles confins (lugar distante) e que a Europa desconhecia. Não houve luta:  a amizade marcou o primeiro contato.
   
   Quando Nicolau Coelho estava chegando à praia, já havia um comitê de recepção formado, indo ao seu encontro. Inicialmente informaria Caminha “vinham todos rijamente ao batel” (os barcos aportados na praia), arcos erguidos por via das dúvidas. Mas, a um sinal do capitão português baixaram as armas. Assim começaram num clima de paz, amizade e curiosidade mútua. (ambas as partes) – as relações entre indígenas e portugueses. E houve troca de brindes: os índios ganharam barretes vermelhos (tipo de chapéu sem aba feito de feltro e com miçangas penduradas), roupas de linho, sombrinhas pretas e facas; os portugueses receberam cocares de penas vermelha e pardas, colares de contas brancas e miúdas. Tudo ficou por isso mesmo nesse primeiro encontro, porque o mar encrespado (mar bravo, ondas altas), obrigou a expedição a buscar outra pousada.

Na manhã de 24 , a frota começa a seguir mais para o norte, em busca de um lugar protegido, onde fosse possível arranjar água e lenha.

 Abrigados, dias depois, num porto bom e seguro, os portugueses retomaram os contatos culturais com os nativos: o piloto Afonso Lopes vai à praia e faz o primeiro convite. Mudo, porque ainda era cedo para um aprender a língua do outro, convite aceito, dois índios sobem a bordo. O espanto é recíproco (ambas as partes), os europeus fica boquiabertos ao verem que seus hóspedes tem o lábio inferior perfurado com um osso; os indígenas ao se defrontarem (ficarem frente a frente) com Cabral, majestosamente sentado como um bom fidalgo luso (nobre português) e usando ao peito um colar de ouro. Assustaram-se também com uma galinha e não se comportaram muito bem, pelo menos segundo as regras da etiqueta ocidental: receberam comida e vinho, provaram ambos e sem nenhuma cerimônia jogaram – nos fora.

Conversa vai e conversa vem – por gestos naturalmente – dão a entender que existe ouro e prata no continente. Pelo menos, menos foi isso que os portugueses pensaram ou gostaram de entender. De qualquer maneira, era muita emoção junta e os nativos ficaram cansados. Sem medo, deitaram –se e adormeceram, ou nas palavras de caminha “ estiraram –se de costas, na alcatifa, a dormir (deitaram esticados no chão e dormiram).

A possibilidade da existência de ouro era um bom motivo para continuar os contatos com os indígenas, mesmo que as informações não fossem verdadeira. E a julgar pela carta de Caminha a D. Manuel, os portugueses não deram muito crédito à estória. O escrivão só fala da terra como muito chã e formosa, diz que seus ares são muito bons, frios e temperados como os dentre Douro e Minho (é o nosso clima tropical), mas acha que a terra poderia apenas servir de escala (paradas) para as navegações de Calecute. E sugere tão – somente que seu rei se resolva a “salvar essa gente” (os índios) para salvar a nossa fé.
Descobri o significado de chã (chã  = sã e saudável. Ou chã = terra).
Dia seguinte, dia de trabalho, Cabral devolve os índios à terra acompanhados pelo infatigável (que não se cansa) Coelho e mais alguns homens para que vissem   como era a vida entre os homens de Vera Cruz. Os indígenas deixaram o navio com camisas novas, muitas contas e sininhos e carapaças: Cabral tivera o cuidado de presenteá –los , certo que a generosidade, certo que causaria boa impressão entre os demais membros da tribo. Ideia correta: outros índios se aproximaram dos portugueses e puseram-se de boa vontade a colaborar no serviço de fornecimento de água potável às embarcações.
Domingo, 26. Frei Henrique de Coimbra reza a primeira missa em território brasileiro. Dia 1º de maio, nova missa – cerimônia de posse – em frente a uma grande cruz que Cabral manda implantar, para servir de marco da soberania portuguesa.
O ambienta cordial continua até a partida da expedição. Os europeus acharam os nativo as gente de tal inocência, que, se nos entendessem, seriam logo cristãos, porque não tem segundo parece, nenhuma crença, conforme a reportagem de Caminha.
Dando os trâmites por findos, Cabral decide prosseguir viagem, com menos um navio , outro navio volta a Lisboa  sob o comando de Gaspar de Lemos, a fim de levar ao rei a notícia da descoberta. O resto da expedição, com Pedro Alvares Cabral, segue seu caminho rumo às Índias.
Nem os navegantes nem o rei puderam ter ideia exata do grande mundo novo descoberto. Tanto assim, que por muitos anos deixarão o país como possessão secundária: dela extraiam madeiras e alguns outros produtos. Só depois de algum tempo  - e diante do interesse concorrente de outras nações – e que resolveram implantar uma colonização definitiva, baseada sobretudo na agricultura da cana do açúcar.
Essa atividade gerou o primeiro grande núcleo de povoamento entre nós, no litoral nordeste, em terras de Pernambuco. 
Aquele mundo cor de rosa terminaria com a colonização. Os portugueses precisavam de mão – de – obra  e passaram  a escravizar os indígenas; acabaram –se a paz e a amizade, começou o tempo de guerra. Ainda assim, no território brasileiro as lutas não tiveram características de crueldade organizada, como ocorreu nas regiões conquistadas pelas expedições espanholas.
Atividades:
1º Quem foi a primeira pessoa a descer em solo brasileiro?
2º Com foi a recepção para os portugueses?
3º Dia 24, o que os portugueses procuravam?
4º Qual era forma de comunicação entre os indígenas e portugueses?
5º O que espantou os portugueses, quando os indígenas subiram no navio?
6º E o que assustou os índios?
7º O que foi comemorado no dia 1º de maio.

Boa leitura! E boa atividade.


0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial