sexta-feira, 18 de março de 2011

Homens das cavernas.

A Pré-História



Segundo as mais abalizadas pesquisas arqueológicas, os mamíferos começam a surgir na face da terra há cerca de 70 milhões de anos. Em evoluções sucessivas e prolongadas – segundo as teorias de Charles Spencer Darwin – aqueles que se adaptavam melhor sobreviviam, outros sucumbiam e assim ocorreu a diversificação das espécies animais.

O animal humano segue nesta trajetória de gradação em gradação, de evolução em evolução. Os mais antigos vestígios de hominídeos encontrados pelos arqueólogos datam de mais de 500 mil anos.

Desmond Morris causou grande polêmica com seu livro “O Macaco Nu”, lançado no Brasil na década de 60 do século passado. Segundo o Autor, nossa espécie não é dotada de garras afiadas, presas capazes de dilacerar sua caça ou mesmo um couro coberto de pelos protetores contra as intempéries. Esta fragilidade, contudo, é compensada com um cérebro mais desenvolvido que o da maioria dos animais e mãos capazes do movimento de pinça com os dedos, capazes de grande precisão (segundo alguns Autores somente o golfinho tem massa cerebral superior à do ser humano em relação à proporção com sua massa corporal, sua relativa inferioridade reside no fato de não disporem de mãos hábeis como as nossas...).

O cérebro humano não nasce pronto quando ele vem ao mundo. Segundo Desmond Morris um cérebro plenamente desenvolvido jamais passaria pelo canal vaginal, matando mãe e criança. A maior parte do desenvolvimento cerebral humano ocorre nos primeiros anos de vida da criança, chegando até a adolescência, no período extra-uterino, criando uma grande dependência materna por parte do bebê humano que chega ao mundo.



A Evolução das Espécies



Charles Darwin viajou pelo mundo no famoso navio Beagle (1831 – 1836) a fim de fazer pesquisas. Ficou fascinado com a diversidade animal e vegetal encontrada. As Ilhas Galápagos o impressionaram sobremodo.

Segundo suas observações, chegou à conclusão de que as espécies passariam por mutações e aqueles mutantes melhor adaptados sobreviviam com maior desenvoltura ao universo circundante. Aqueles que não se adaptavam sucumbiam. A isto chamou de “processo de seleção natural”.

Mais tarde, Darwin estendeu essa teoria ao ser humano, classificando-o como descendente dos antropóides. As comunidades científica e religiosa do mundo inteiro se opuseram a essa teoria, pois seu limite de consciência possível não permitia admitir que “o homem branco, superior” fosse descendente de macacos.

Nem é bem assim: o ser humano guarda laços óbvios de parentesco com os outros antropóides, mas não é “descendente do macaco”...

Embora as descobertas de Darwin tenha elevada importância histórica, principalmente pela ousadia e pioneirismo, não são definitivas. As pesquisas continuam até hoje lançando novas luzes sobre as origens do homem.



Nossos Ancestrais



Consensualmente entre os arqueólogos, convencionou-se (até que alguma nova descoberta os contradite) que a mais antiga espécie digna do epíteto “homo” é o Australopithecus, surgido no sul da África há cerca de 3 milhões de anos. Este nosso provável ancestral tinha algumas características semelhantes ao homem moderno e foi capaz de criar os primeiros instrumentos rudimentares.

Quando, por processos de mutação, nossos ancestrais passaram a andar sobre dois pés, ficaram não apenas com as mãos livres para fazer e usar objetos como ainda tiveram ampliado o seu campo de visão. O fato de o homem fabricar seus instrumentos é um importante diferencial que o separa definitivamente do reino animal.

Marcadores:

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial