domingo, 16 de janeiro de 2011



13.01 - Nova Friburgo/RJ:   equipes de resgate trabalham em região atingida da cidade. Foto: Jadson Marques/EFE

Pesquisador da UFRJ diz que tragédias como a de Nova Friburgo são culpas do poder público e da sociedade
Foto: Jadson Marques/EFE

Subordinação à especulação imobiliária e aos interesses da indústria da construção civil e negligência do governo na construção de habitações sociais são as causas da tragédia no Rio apontadas pelo professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Carlos Vainer. Especialista em planejamento urbano, ele disse que a culpa das centenas de mortes após as chuvas na região serrana do Estado não é da natureza.

"Com todo respeito ao governador Sérgio Cabral, a culpa pelas tragédias desse tipo não é da natureza. Não existem tragédias naturais, só existem tragédias sociais, que se resumem na forma em como a sociedade organiza a ocupação e sua relação com o ambiente", disse ele, contestando uma declaração do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB).

O governador afirmou que os municípios sofreram "em função de uma força da natureza, combinada com ocupação irregular do solo". Para Carlos Vainer, trata-se de uma questão histórica. "Devido à falta de habitações para a população pobre, essas pessoas se dirigem a áreas de grande inclinação sujeitas a desmoronamentos", disse.

Entretanto, alguns bairros ricos e condomínios fechados da região serrana também foram atingidos. "Isso mostra a negligência do poder público ao ser condescendente com a especulação imobiliária e autorizar projetos que não poderiam ter sido licenciados. Mas os interesses fundiários e da indústria da construção civil falam mais alto", disse o especialista.

Viva Rio pede ação da sociedade
Para Rubem Cesar Fernandes, presidente da ONG Viva Rio, mais do que a presença do Estado, a participação civil também é fundamental. "Embora seja um fenômeno recorrente, a sociedade brasileira não tem uma cultura de prevenção arraigada. O estilo de ocupação é muito informal, ela é espontânea, sem controle, sem orientação de políticas públicas", disse.

Ao lado do poder público, escolas, igrejas, associações de moradores e organizações locais precisariam participar mais desse trabalho de prevenção e de convencimento das pessoas sobre os riscos que enfrentam ao construir ilegalmente, afirmou também o presidente da Viva Rio.

As fortes chuvas que atingiram os municípios da região serrana do Rio nos dias 11 e 12 de janeiro provocaram enchentes e inúmeros deslizamentos de terra. Pelo menos 497 pessoas morreram nas cidades de Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), choveu cerca 300 mm em 24 horas na região - em Nova Friburgo, cidade mais afetada, o valor esperado para o mês de janeiro é de 209 mm.


Marcadores:

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial