quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/comeca-curso-de-libras-para-servidores/21038

Começa curso de Libras para servidores

principal












Começou nesta terça-feira (9), na sede da Federação Nacional de

Educação e Integração dos Surdos (Feneis), no bairro Rebouças,

o curso de capacitação em Língua Brasileira de Sinais (Libras) para servidores

da Prefeitura de Curitiba das nove administrações regionais. Trinta

e três servidores participam do curso, que será promovido até abril

de 2011. O curso é fruto de uma parceria da Feneis com

o Instituto de Administração Municipal (Imap) e a Secretaria de

Governo Municipal (SGM).

Na abertura do curso, a diretora da Feneis, Iraci Suzin, destacou

a importância da comunicação em Libras. “O mundo do surdo é

totalmente visual. Sua linguagem é muito bonita, tem muita plasticidade.

Tudo fala, o corpo fala, e quando conversa, apela muito para

as sensações. Óbvio que nem todo mundo tem obrigação de

dominar a Libras, mas precisamos perceber essa diferença

e observar certos detalhes, como por exemplo, falar sempre

com os lábios mais pronunciados e sempre de frente com ele”,

afirmou Iraci.

“Pela primeira aula já pude perceber o elevado nível de interesse dos

alunos e creio que, mesmo antes da conclusão do curso, já poderão

atender ao público surdo de maneira satisfatória”, considerou a

pedagoga Elizanete Fávero, que conduz as aulas. Cursando especialização

em libras na UFPR, Elizanete nasceu ouvinte, mas por causa de uma

meningite ficou surda com um ano de idade.

As servidoras Clara Satiko e Mari Pessin, do Imap, e Roseli Bogoni, da SGM,

assistiram à primeira aula e apostam num rápido aprendizado da turma.

“Nossa meta é capacitar pelo menos um servidor de cada setor para que ele

possa atuar como intérprete de Libras. No prédio central temos quatro pessoas

fazendo o curso, e os demais são das regionais”, afirmou Roseli.

“A ideia é fazer com que o surdo possa se virar sozinho à Prefeitura,

conquistar mais liberdade, principalmente quando tiver que tratar

com nossos servidores”, disse Clara, observando que, geralmente,

os surdos procuram os serviços da Prefeitura acompanhados de

um familiar ou amigo para auxiliar na comunicação. “Queremos romper

com isso”, completou Clara.

“A gente raramente passa apertado quando atende um surdo porque

ele sempre acaba levando alguém para ajudá-lo, mas é claro que às

vezes gostaria de poder dominar essa linguagem para me comunicar

melhor com ele”, disse a servidora Mariana Borecki, que trabalha no

atendimento ao cidadão no prédio central da Prefeitura. Depois do curso

de Libras Mariana pretende fazer um curso de Inglês. “De vez em quando

aqui no setor, a gente precisa pedir socorro ao pessoal do Cerimonial para

atender imigrantes ou visitantes que não dominam o Português”, contou.


0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial